Penseira: Bacia de pedra rasa, com entalhes estranhos na borda, runas e símbolos. É um recipiente que serve para guardar pensamentos os quais ocupam muito espaço na cabeça de alguém.

Tag Archives: começo

largeSenti tantas esperanças esse ano e fui tantas vezes boicotada que nem sei como imaginar como será esse ano de 2017…

São tantas esperanças renovadas, tantos objetivos, tantos sonhos que depois desses dois anos não sei o que pensar..

Só consigo rezar com todas as minhas forças para que Deus, Alá, Deusa, Ganesha, Nossa Senhora Aparecida, São Longuinho e sei la mais quem, que meus sonhos plantados e não realizados durante esse ano, se realizem no próximo.

É quase um apelo desesperado para que enfim as coisas entrem nos trilhos, porque já estou cansada de tanta, mas tanta confusão na minha vida desde o dia que escolhi entrar na faculdade.

Não.. Não estou nem um pouco arrependida dessa decisão, porque de fato foi a melhor decisão que fiz em 5 anos de ócio acadêmico, mas desde então, minha vida só vai pro lado que não escolho..

Engordei.. Me estressei.. Fali… Tive uma série de imprevistos malucos… Continuo pobre, mas não perdi a vontade de sonhar, mesmo sabendo que muitos desses sonhos podem ser ofuscados pelas preocupações do dia a dia.

E depois desse 2015 parte 2, o que pensar? Ser a pé no chão que precisa ser fria pra não se frustrar e se machucar, ou arriscar de novo a sonhar e acreditar que coisas boas estão mais perto do que nunca agora?

Porque não é possível que depois de tanta desgraça e coisas chatas, a luz não esteja me esperando pra colorir meus dias…

Continuo no aguardo..


Ela

“Não vai te deixar entender a coisa toda de sorrir pro mundo e reclamar que anda sozinha.” – Daniel Bovolento

Imagem de girl, sweater, and vintage

Curiosamente estava num momento bem bad desse meu início de férias em que me vi sozinha, sem amigos, sem roles e coisas que pessoas da minha idade normalmente fazem, ainda mais depois do sonho que tive que estava numa festança, cheia de amigos, cheia de sorrisos e cheia de vida, mas me encontrei em casa, no frio, sozinha e silenciosa.

Já estava acreditando que minha vida é uma droga e que nunca fico satisfeita com nada, pois sempre acharei pelo em ovo, mas depois dessa frase percebi que sou assim mesmo.

Uma pessoa sempre em busca de alguma coisa, e mesmo em busca, que sempre quer achar o fim da linha, sempre quer conclusões e resultados, mesmo diante de tanta indecisão que é a minha vida.

Isso responde minha grande inquietação de não saber o que eu quero da vida. 23 anos na costas, quase dois anos de faculdade e só quero realizar meus sonhos infantis de conhecer a Disney, ir pra Londres e quem sabe casar com Daniel Radcliffe.

Mas por mais infantil e estranho, essa sou eu… A velha que parece criança, que age como adolescente e tem pensamento mais adulto do que parece.

São muitos eus pra administrar e me encontro sempre confusa, mas isso faz parte de mim, e no fim das contas eu só quero um colo pra chamar de meu no fim do dia, mas que esse mesmo colo me puxe os cabelos e beije meu pescoço forte nos momentos de mais intensidade.

Dificil lidar comigo? Sei bem como é, mas acho que é esse meu encanto.
Me descobrir sempre e sempre…

 


large

No fundo, eu bem sabia que esse seria um ano muito difícil na minha vida, muito difícil meeeeesmo. E nem vou ficar falando “olha, mais foi mais do que o imaginado”, mentira, porque eu sabia que teria que enfrentar várias barras.

E mesmo chorosa, com medo, e posso até dizer que, um pouco desacreditada, eu posso dizer com todas as letras que PASSEI, SOBREVIVI, CONSEGUI, JÁ ERA.

Como todo ano na nossa vida, o próximo será de renovações, mas não aquelas de começo de ano que você promete emagrecer, aprender uma nova língua ou enfim se declarar pro crush. É aquele ano de MAIS renovações pessoais, mais desafios, mais escolhas pra tomar e mais diversidades encontrar.

Agradeço imensamente por tudo que vivi, desde aquele roubo na minha conta (sim, gente, roubaram a minha conta), até a queda da gata (que me custou vários rins) e a quebra do banheiro de casa (custou os rins de pessoas que trafiquei – ZUEIRA), porque apesar do medo de poder viver isso de novo, no fundo do meu coração cheio de buraquinhos, eu sei que não passarei por isso de novo porque aprendi a lidar com tudo isso.

Aprendi a observar melhor, conversar melhor, desabafar, cuidar das coisas e principalmente, aprendi a respeitar o espaço do outro.

Esse ano foi uma barra mesmo, porque além de ser o primeiro ano longe de casa, aprendi a morar com quem eu amo, e olha, não é fácil, a convivência é muito diferente do que se imagina, mas foi ótimo porque aprendi a ver o jeito, defeitos e principalmente valorizar as qualidades que são muitas, pra poder cada dia mais fazer o melhor e o impossível para tudo ficar bem.

Aprendi a calar a boca na hora que precisa calar, abrir a boca pra dar um chacoalhão e acolher nos momentos difíceis e nos fáceis também, porque carinho não se mede, carinho e amor são as coisas mais puras do coração e devem ser distribuídas a rodo. Rsrs

Agradeça a esse ano você também, foi difícil pra todos, mas enfim passamos, e podemos vir muito mais maduros para o próximo e com certeza muito mais leves, porque já temos bagagem suficientes pra dizer “OLHA, ja passei por isso e uufa, superei”.

sdfcs

Feliz 2016

PS: Vinicius, desculpa as ansiedades e medos. Eu te amo e quero passar mais e mais anos novos com você.


IMG_2750-0
Esse ano está sendo um ano de muita análise dos meus erros e acertos ao longo dessa chamada “idade adulta”, e me peguei pensando se de fato já estou nela, ou ainda sou apenas uma adolescente louca que não cresceu..
Sei que gostar de desenhos, jogos, Disney e Harry Potter é algo que não tem idade, mas até onde vai essa ligação com o recreativo e infantil?
Será por conta das alunas ou pelo fato de não aceitar que cresci e preciso lidar com problemas pelo resto da vida?
Sou muito insegura, admito, e o que me faz regredir e pensar demais antes de fazer algo é por conta do que os outros falam… Tem muitas pessoas que acreditam demais em mim, mas as vezes não sei se é por de fato acreditar, ou por querer me ver no chão, até porque analisando minha vida até agora, já conquistei muita coisa excelente, mas nem eu mesmo acredito, então quando me falam “nossa, vai fundo porque vc pode” fico me sentindo pequena.
Ai nisso, creio que acabo descontando nas coisas da infância, porque como não curti como uma pessoa normal, quero esconder meus dotes através dessa infância perdida.
Mas quando será que eu vou acordar e ver que sou uma pessoa boa e inteligente pra conquistar o que eu quero?
Quando a Hermione Granger/ Bela vai resolver encarar as horcruxes/Fera da vida?
Até quando vou ficar nessa de “Aaaaahh que isso, não sou nada, é por causa do tempo”, “é porque tive sorte”, “não, mas é que nesse dia eu tava com X”, de desculpinhas bobas pra um talento que no fundo sei que tenho e não acredito?
Quero acreditar que sou boa sim é que posso ser excelente, mas se não partir de mim, nunca acreditarei!



4x15

Divulgando a Ciência do Treinamento

Um Travesseiro Para Dois

tudo é especial se quisermos que seja.

Red Pointe - Blog de ballet

Um blog com dicas de ballet, ballet adulto, músicas de ballet (repertório) e muito mais!

Blá

Poesias, Crônicas, Contos

Suspiros & Desatinos

um pouco de amor. um pouco de humor.

Mundo Q

Entre Estantes e Espelhos