Penseira: Bacia de pedra rasa, com entalhes estranhos na borda, runas e símbolos. É um recipiente que serve para guardar pensamentos os quais ocupam muito espaço na cabeça de alguém.

Monthly Archives: April 2013

603946_445835535492464_20811943_n

O que de fato é o amor e como descobri-lo?

Passamos a adolescência dizendo que não vivemos sem nossos primeiros namoricos e nossos ídolos que juramos por Deus e por nossa mãe muitas vezes que vamos casar com eles, mesmo dizendo que depois da primeira desilusão amorosa afirmamos que não queremos mais saber de amor.

Mais velhos, achamos que o amor é complexo demais e que o amor é sublime demais pra ser qualquer um e acabamos amando menos, além de não nos amar.

Quanto mais vivo e mais cresço, percebo que o amor está nas coisas mais pequenas e simples, como um abraço mais apertado de uma criança, um elogio “bobinho” da sua avó e um olhar mais carinhoso do seu amor.

Eu… Não sei se sei o que é o amor de verdade, mas acho que pela primeira vez sinto que estou sendo amada… Não é um “Eu te amo”, nem mimos, mas a preocupação, o cuidado, o carinho e até mesmo um pedido de desculpas.

E não estou dizendo de amor em relacionamentos, mas no amor de mãe, de irmão, de professor. Cada pequeno detalhe, fazendo meu dia e minha vida muito melhor.

Ouvi uma frase uma vez que “o ser humano pode querer ter tudo, mas no fundo , ele só quer ser amado” e é verdade!

Tem coisa melhor do que dormir de conchinha no frio?

De receber um sms da sua mãe dizendo que te admira?

As lagrimas de sua irmã te vendo crescer?

E o agradecimento de seus alunos pelo seu trabalho..?

Se tiver coisa melhor que isso, eu quero pra mim, mas a vida com amor não precisa de perguntas e respostas, só precisa ser aproveitada.

Por MochileiradeAllStar

AGORA OLHA QUE ENGRAÇADO O TEXTO QUE LI NO BLOG ENTENDA OS HOMENS UM DIA DEPOIS DE TER ESCRITO ESSE!
“O amor, sentimento idolatrado, venerado, mas em sua essência pouco compreendido. É como uma questão matemática, a maioria das pessoas está interessada em resolver o problema, ao invés de compreendê-lo.
O amor não é avassalador muito menos imprevisível. Ele é confluente, elaborado, sereno, libertador, silencioso e como um legítimo sapato de couro precisa ser laceado para acomodar-se ao par de pés que os calçam.
Não existe amor pleno sem ranhuras, sem infiltrações, sem o nosso anfitrião: tempo.
O amor não cria cercas, o amor é um estágio de sentimento muito mais multifacetado do que um simples eu te amo dito ao despedir-se rente a porta de casa. A profundidade desse sentimento é infindável. Milhares de pensadores discorrendo dissertações intrínsecas sobre ele, para hoje em pleno século vinte um ele ser resumido a um simples e subsequente beijo de carnaval. Talvez eu seja retrógrado mas ainda seleciono esses dizeres com toda a minha sensatez antes de arcar com os arrependimentos previstos na jurisdição da minha consciência.
O amor é uma palavra que para cada um tem um significado e principalmente uma intensidade. E assim cada um de nós escolhe a hora em nossas vidas que decide o matar. Matamos por medo, por proteção, por incompreensão, por descrédito ou até por simples massa de manobra de um desapego na maioria das vezes antilógico. Apesar dessas fechaduras, às vezes compreensíveis, fico esperançoso que não seja tarde para desfibrila-lo.
Por fim acredito que o amor seja tudo isso e mais um pouco que ainda não aprendi, até porque a minha vida perderia a graça caso eu conseguisse definir genuinamente o amor.”

66840_456667521076014_1565836237_n_large

Quero tirar toda essa coisa que esta incomodando meu peito.

Rasgar em pedaços e queimar toda essa agonia e insegurança sobre meus afazeres e deveres.

Quero colocar tudo em dia, mas não por um dia, pela minha vida.

Curtir mais meus momentos sem estar com a cabeça longe, lembrando que eu tinha que fazer isso ou aquilo.

Quero espaço pra sorrir, não pra dormir.

Quero espaço pra diversão, pro amor, pro carinho de quem eu amo, até espaço pra arrumar meu quarto com tranquilidade.

Quero independência e quero poder resolver  mais coisas sem precisar de ninguém. Não que eu não precise, mas que essas coisas não travem minha vida.

Quero respirar todo dia pensando que cumpri tudo o que queria.

Quero muita coisa, mas no fundo não quero nada.

Quero apenas um espaço gostoso com um brisa boa pra ler um livro ou uma cama pra deitar agarrada ao meu amor, sem pensar em nada que não me faça sorrir.

 

MochileiradeAllStar


“Felicidade pra mim é pouco. Eu preciso de euforia.” Essa máxima tem mais adeptos do que se pode imaginar. Em um mundo de baladas alucinantes e sexo fácil, não é de se estranhar que as verdadeiras parcerias sejam cada vez mais raras. Isso porque o conforto da conchinha em dias frios e do filminho a dois no domingo não tem sido suficiente para satisfazer enérgicos caçadores de êxtase.

A verdade é que algumas pessoas precisam estar em estado permanente de paixão. Só dançar não basta – é preciso ultrapassar todos os limites do seu corpo; só amar não basta – tem que ter orgasmos múltiplos todo dia; se identificar com a profissão não basta – É preciso gostar tanto do trabalho a ponto de ficar ansioso pela segunda-feira.

E os relacionamentos têm obedecido – lamentavelmente – esse vírus moderno da insaciabilidade aguda. Arrisco dizer que é por isso que as verdadeiras parcerias caíram de moda. Não se troca mais a liberdade da solteirice pelo tédio que um relacionamento estável supõe. Mas quem se recusa a essa troca certamente desconhece a sensação surreal de uma conchinha. De gargalhadas épicas assistindo a um programa de humor sem graça no sábado à noite. Do tesão inigualável de um sexo com amor (sexo com amor, não necessariamente sexo amorzinho).

As parcerias ainda estariam “em alta” se as pessoas parassem de esperar delas essa tal euforia. Espera-se sexo avassalador diariamente quando, às vezes, se pode querer simplesmente pegar no sono depois do jantar. Espera-se conversa e tagarelices sem fim enquanto se pode, vez ou outra, querer simplesmente permanecer em silêncio – e, calma, isso não é um problema.

Achar que todo relacionamento se sustenta na base do sexo três vezes ao dia e ter certeza de que há algo de errado se o outro recusa é uma utopia. O amor é poder ser você mesmo. Poder assumir que quer só dormir de conchinha – sem tabus, sem a obrigação da paudurecência permanente. Sentir-se bem com o outro de chinelo e camisa de propaganda, sem maquiagem e descabelada. Eu diria que amar é, acima de tudo, sentir-se à vontade. Sem pressa, sem euforia, sem regras estabelecidas. Por que amor é liberdade.

É preciso aceitar o outro em todas as suas versões, inclusive nos dias ruins. A rotina é o preço que se paga pra se ter um grande amor sempre ao lado – um preço irrisório quando ela se torna absolutamente deliciosa. E isso só é possível ao lado de quem se ama. Apaixonar-se é bom. Mas o amor tem privilégios que só podem ser desfrutáveis na calmaria.

 

Texto original encontrado aqui por Natalia Macedo – Via Casal Sem Vergonha


tumblr_mjvo8khBKJ1s52bujo1_500_largeQuem nunca assistiu Discovery Channel e ficou envergonhado com a copulação dos animais?

E quando você esta assistindo um filme super tranquilo sozinho e beeem na hora que sua mãe aparece, é a hora que o casal começa a tirar a blusa, só a blusa? (caso clááásico)

Na era em que mulheres trabalham e ganham mais que os homens, homens fazem serviço de casa, casais trabalham em casa e etc, o velho tabu do sexo ainda esta em alta.

As pessoas usam do funk, novelas, revistas pra suprir essa necessidade sendo que o mínimo que elas poderiam pensar é que isso não é um bicho de sete cabeças, pois brincadeiras a parte, todos nascemos disso. NO SEX, NO KIDS!

Claro que ficar postando fotos, vídeos e frases chulas também não dá, porque é uma coisa intima, mas ficar com aquele olhar de “credo, sua putona” é meio arcaico.

Ta na hora de parar com essa coisa entre 8 e 80 sobre sexo e aceitar que isso acontecesse com todos..

Desde a sua mãe com seu pai pra fazer você á sua vizinha velhinha que mal anda que um dia já transou com o tiozinho, marido dela que até já morreu!

MochileiradeAllStar


É!

tumblr_mgdovic3aJ1qc3d2ho1_500_largeAmar não é beijar em público, nem se agarrar, nem ficar postando foto no Facebook..

Amor não é dedicar músicas e chorar loucamente com filmes, nem mandar telemensagem…

Amor não é deixar de fazer o que você mais ama pelo outro, nem privá-lo..

 

Amor é sentir prazer em estar junto..

É gostar do cheiro dele na sua roupa mesmo suado e fedido depois do jogo..

É assisti-lo fazendo as coisas mais simples como estudar ou simplesmente dormir..

É respeitar quando ele fica mal e quer chorar por qualquer motivo que seja e ainda ser o ombro..

É respeitar opiniões e escolhas construindo uma vida equilibrada..

 

Amor é simplicidade..

Cumplicidade..

Carinho…

Ousadia..

 

Amor é sublime..

Amor.. É Felicidade!

 

MochileiradeAllStar



4x15

Divulgando a Ciência do Treinamento

Um Travesseiro Para Dois

tudo é especial se quisermos que seja.

Red Pointe - Blog de ballet

Um blog com dicas de ballet, ballet adulto, músicas de ballet (repertório) e muito mais!

Blá

Poesias, Crônicas, Contos

Suspiros & Desatinos

um pouco de amor. um pouco de humor.

Mundo Q

Entre Estantes e Espelhos